Futebol feminino: em peneiras, o sonho de ser uma nova Marta

0
7

Mais de 400 jovens jogadoras de todo o país participaram de seleção pela Federação Paulista de Futebol

Por
Danilo Monteiro

access_time

27 jun 2019, 16h24 – Publicado em 27 jun 2019, 16h21

A eliminação da seleção brasileira na Copa do Mundo de Futebol Feminino teve um sabor agridoce. Longe de ser uma das favoritas e depois de diversas eliminações traumáticas em Mundiais – como em 2007 e 2011 -, o Brasil jogou bem com a poderosa seleção francesa e faltou pouco para se classificar às quartas de final. A derrota foi acompanhada de uma cobrança emocionante de Marta por renovação, pois ela, Cristiane e Formiga já são veteranas. O trio, porém, pode ficar otimista, pois inspirou um enorme grupo de meninas de todas as partes do país.

Tabela completa de jogos da Copa do Mundo Feminina 2019

A Federação Paulista de Futebol organizou nesta semana sua primeira peneira de jogadoras sub-17, que coincidiu com o momento de reconhecimento do trabalho da seleção no Mundial. As sessões de treinos e jogo coletivo tiveram a supervisão de Aline Pellegrino, ex-zagueira do Brasil e coordenadora de futebol feminino da FPF.

Aline e Zetti, na peneira em São Paulo (Heitor Feitosa/VEJA)

“As meninas se inscreveram antes de começar a Copa, mas coincidiu com a participação da seleção. Todas viram os jogos, sonharam com aquilo e foram observadas por clubes como São Paulo, Corinthians entre outros. É um momento muito importante e aconteceu porque a mídia tradicional voltou os olhos para o futebol feminino”, disse Aline.

Um dos combustíveis para as 420 meninas que se inscreveram foi o apelo de Marta. “A peneira existe para mostrar que há demanda, contrariando o discurso de que não há atletas para criar time ou abrir escolinha, quando na verdade faltam oportunidades. O que Marta falou serve para toda a cadeia, todos podem fazer mais. As meninas que estão aqui dependem de nós, de estrutura, de campeonato, mas toda a cadeia tem de ser agitada, atletas, clubes, federação, mídia. A turma daqui está sonhando”, falou Aline.

A peneira no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (Cepeusp) atraiu garotas de 15 estados, segundo a organização, que tiveram de se virar para pagar a viagem a São Paulo, como Kauany Aguiar, de 15 anos, e Maísa Ferreira, 16, jogadoras da escolinha Unidas Futebol Clube, de Brumado, na Bahia. “A viagem foi dura e difícil de pagar. Fizemos rifa, pedimos ajuda para o transporte, patrocínio, até para os meninos da escolinha também. Valeu a pena. Já fizemos muita amizade, tiramos até foto com umas estrangeiras”, falaram animadas as meninas.

Kauany (segunda à esq.) e Maísa (agachada, à dir.) na peneira (Heitor Feitosa/VEJA)

Quando o assunto é ídolo, não há duvida. “Minhas referências no futebol são a Marta, porque joga demais, a Cristiane, porque jogo na mesma posição dela, centroavante, e Cristiano Ronaldo, porque ele é um monstro”, contou Maísa.

Seis vezes eleita a melhor do mundo pela Fifa, Marta fez ecoar suas palavras entre as meninas.  “Como ela falou, temos de nos esforçar para estar lá em cima também, como ela e Cristiane. As palavras dela nos incentivaram bastante”.

Na peneira, Zetti, ex-goleiro do São Paulo e da seleção brasileira, auxiliou as jogadoras na sessão de treino. “Tem muita coisa boa vindo para o futebol feminino, mas precisamos acabar com o tabu. É preciso resgatar cedo o talento das meninas sem o preconceito, que adia o início delas no futebol. Às vezes os pais não querem que joguem com 10 anos”.

O protocolo da organização é recolher a lista de jogadoras que interessam aos clubes – havia olheiros de vários times – para a terceira edição do Paulista Feminino sub-17 e depois libera  o contato de cada uma para conhecer as instalações e as propostas dos clubes.

Fonte: Redação SBTV

Os comentários postados são de responsabilidade inteiramente de seus autores e não representa a opinião desse site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here