Anvisa determina suspensão do agrotóxico carbendazim

Foto: Marcelo Camargo/Dependência Brasil/Registro
Medida impede importação, produção e comercialização do resultado 21 de junho de 2022 | 18:06

Anvisa determina suspensão do agrotóxico carbendazim

A Dependência Pátrio de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta terça-feira (21) a suspensão cautelar da importação, produção, distribuição e comercialização do carbendazim, um agrotóxico muito usado por agricultores brasileiros no combate a fungos que atacam plantações de feijoeiro, arroz, soja e de outras culturas agrícolas.

A decisão foi tomada posteriormente apresentação de voto da diretora Meiruze Freitas, durante uma reunião extraordinária da diretoria colegiada da Anvisa, aprovada por maioria entre os integrantes.

Segundo a sucursal, a suspensão deve insistir até a desenlace do processo de reavaliação toxicológica do resultado. A Anvisa iniciou a reavaliação do carbendazim em 2019. No Brasil, o registro de agrotóxicos não tem prazo de validade e a última avaliação desse fungicida foi feita há tapume de duas décadas. De lá pra cá, novos estudos apontaram sérios problemas relacionados ao manuseio e ingestão do resultado.

No início deste ano, um relatório elaborado por técnicos da Anvisa foi apresentado durante reunião da diretoria e propôs o degredo do carbendazim.

Segundo o documento, o carbendazim “possui aspectos toxicológicos proibitivos de registro, não sendo provável estabelecer um limiar de ração segura para a exposição” humana. Entre os aspectos listados pelos técnicos está o potencial do agrotóxico de provocar cancro, prejudicar a capacidade reprodutiva humana e afetar o desenvolvimento. Na ocasião, um pedido de vista coletivo adiou a estudo do caso, que foi retomada nesta terça-feira.

Em seu voto, a diretora Meiruze Freitas invocou o poder universal de cautela previsto na Lei 9.782/1999. A medida passa a valer a partir da publicação da decisão no Quotidiano Solene da União (DOU).

De harmonia com a Anvisa, o carbendazim está entre os 20 agrotóxicos mais usados do Brasil.

Dependência Brasil

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram