PF identifica mais cinco suspeitos de assassínio

BRASÍLIA (Reuters) – A Polícia Federalista disse no domingo que mais cinco suspeitos ajudaram a esconder os corpos do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, depois de já terem prendido três homens suspeitos do assassínio na floresta amazônica.

A polícia não nomeou os novos suspeitos, acrescentando em uma breve nota que as investigações continuam com o objetivo de “esclarecer todas as circunstâncias, os motivos e os envolvidos no caso”.

Em uma segunda nota, divulgada na noite de domingo, a PF informou ter encontrado a embarcação em que Pereira e Philiips viajavam quando foram vistos pela última vez com vida.

“A embarcação será submetida nos próximos dias aos exames periciais necessários, de modo a contribuir com a completa elucidação dos fatos”, disse a PF.

Até agora, Amarildo da Costa Oliveira –um pescador que a polícia diz ter confessado ter matado as duas vítimas–, seu irmão, Oseney da Costa, e um terceiro varão, Jeferson da Silva Lima, foram presos.

Phillips, um repórter freelancer que havia escrito para o Guardian e o Washington Post, fazia pesquisa para um livro durante a viagem com Pereira, um ex-chefe de etnias isoladas e recentemente contatadas da Instauração Pátrio do Índio (Funai).

Eles desapareceram em 5 de junho depois de viajarem juntos de paquete pelo Vale do Javari, uma região remota que faz fronteira com o Peru e a Colômbia. De combinação com a polícia, ambos foram baleados com munição de caça.

O assassínio de Pereira e Phillips ecoou por todo o Brasil e ao volta do mundo, destacando as mudanças feitas na Funai durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, juntamente com uma crescente vaga de violência e incursões criminosas em terras indígenas.

Noticias

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram