Secretário coligado de Bolsonaro teve moradia paga posteriormente exoneração, diz site

O atual secretário vernáculo de Justiça, José Vicente Santini, teve seu apartamento funcional custeado pelo governo federalista por mais quatro meses posteriormente ser exonerado do idoso incumbência de secretário-executivo da Moradia Social, diz reportagem publicada hoje pela jornalista Amanda Rossi no site The Brazilian Report.

A material teve chegada aos dados de moradia de Santini por meio da Lei de Chegada à Informação.

O secretário, que é companheiro da família Bolsonaro, foi exonerado do incumbência idoso em janeiro de 2020 posteriormente ter utilizado, sem autorização, um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) para viajar à Índia. Pela repercussão negativa do caso, ele deixou a posição.

Porém, os registros obtidos pela reportagem dão conta que o apartamento funcional de Santini, localizado na Asa Setentrião, em Brasília, continuou a ser custeado pelos cofres públicos até maio de 2020, quatro meses posteriormente sua exoneração.

José Vicente Santini também comprou recentemente uma mansão no valor de R$ 6,7 milhões em uma das áreas mais valorizadas do Lago Sul de Brasília.

Segundo a pilar de Rodrigo Rangel, do site Metrópoles, a cobertura teria sido adquirida em abril de 2020, três meses posteriormente a primeira exoneração do agora secretário e, de entendimento com as novas informações, quando ainda havia custeio de sua moradia funcional por secção do governo.

Em setembro de 2020, José Vicente Santini seria nomeado em um novo incumbência público, o de assessor do logo ministro do Meio Envolvente Ricardo Salles. Em fevereiro de 2021, ele voltou ao Planalto, assumindo o incumbência de secretário-executivo da Secretaria Universal da República, do qual foi exonerado em julho para poder ocupar, a partir de agosto, o atual lugar no Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O UOL procurou a Moradia Social e o Ministério da Justiça para comentários e aguarda retorno. A Secretaria Vernáculo de Justiça não respondeu às solicitações feitas pelo The Brazilian Report.

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram