Totalidade de empresas ativas cresceu 3,7% no Brasil em 2020

Foto: Rovena Rosa/Dependência Brasil
Hoje, há 5,4 milhões de companhias no país, revela o IBGE 23 de junho de 2022 | 11:08

Totalidade de empresas ativas cresceu 3,7% no Brasil em 2020

O número de empresas e outras organizações ativas no Brasil cresceu 3,7% entre 2019 e 2020, chegando a 5,4 milhões. Mesmo com esse aumento, o totalidade de pessoas ocupadas assalariadas em empresas diminuiu 1,8% no mesmo período, o que significa 825,3 milénio postos de trabalho formais a menos no país.

As mulheres foram as que mais perderam postos de trabalho. Os dados são da pesquisa Estatísticas do Cadastro Mediano de Empresas (Cempre) 2020 divulgada hoje (23), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasiliano de Geografia e Estatística (IBGE).

É a primeira vez, na série histórica do estudo, desde 2008, que a queda no número de assalariados ocorreu ao mesmo tempo em que houve aumento significativo no totalidade de empresas. Esse movimento pode ter sido ocasionado, de concórdia com o instituto, por pessoas que foram demitidas e tentaram penetrar seu próprio negócio ou por quem buscava gratificar as perdas de renda nesse período.

“A gente não imagina, em período de potente crise econômica, ter aumento de empresas. Mas, ao mesmo tempo, isso é explicado pelo incremento de empresas que não possuem assalariados”, disse o gerente da pesquisa, Thiego Ferreira.

“Apesar de todos os esforços, inclusive políticos, e das políticas públicas para manter os empregos, ocorreram, naturalmente, demissões. Muita gente teve redução na renda ou porque foi demitida ou porque teve subtracção da jornada de trabalho e isso pode ter motivado a procura dessas pessoas por abrirem seus próprios negócios”, argumentou.

Menos funcionários e salários menores

Entre 2019 e 2020, o número de empresas sem empregados assalariados cresceu 8,6%, o que significa 227,3 milénio empresas a mais em 2020. Já as empresas com assalariados recuaram em todas as faixas analisadas. As com um a nove empregados caíram 0,4%; as com 10 a 49 empregados, 5,3%; as com 50 a 250 assalariados, 2,3%; e as com mais de 250 funcionários tiveram uma redução de 1%.

Os dados mostram, ainda, que o salário médio pago pelas empresas do país em 2020 caiu 3% em relação a 2019, chegando a R$ 3.043,81, ou o equivalente a 2,9 salários mínimos. Já a volume salarial, que atingiu R$ 1,8 trilhão, teve um recuo de 6% em relação a 2019, o que representou, segundo o IBGE, a maior redução na série histórica da pesquisa. Essa perda salarial foi, segundo o instituto, intensificada pela redução no número de assalariados.

Em relação às unidades federativas, o Região Federalista e o Amapá registraram os maiores salários: o DF com uma remuneração média mensal 5,3 salários mínimos e o Amapá com 3,7 salários, ambos seguidos pelo Rio de Janeiro e São Paulo com 3,3 salários mínimos cada. Esses dois estados concentram mais de um terço dos assalariados do país. Já os menores salários foram anotados na Paraíba – salário médio mensal de 2,1 salários mínimos -, seguido do Ceará e Alagoas: 2,2 salários mínimos cada.

Mulheres mais impactadas

Segundo o IBGE, as mulheres foram as que mais perderam postos de trabalho em empresas. Em 2020, enquanto o número de homens assalariados caiu 0,9%, em relação a 2019 o totalidade de mulheres recuou 2,9%. Dos 825,3 milénio postos de trabalho perdidos entre 2019 e 2020, 71,9%, o equivalente a 593,6 milénio vagas, eram ocupados por mulheres.

Diante desse cenário, a participação feminina entre os assalariados das empresas formais do país diminuiu, pela primeira vez, desde 2009. O percentual de postos ocupados por mulheres passou de 44,8% em 2019 para 44,3% em 2020, a menor participação feminina desde 2016.

“Apesar de ser uma queda de 0,5%, ela revela um comportamento que tem relação com a pandemia. Quando procuramos entender melhor esses números, o que encontramos uma vez que justificativa são dois movimentos. Houve um incremento de ocupações em setores que usualmente empregam mais homens e, por outro lado, uma redução dos segmentos que empregam mais mulheres”, explicou o gerente da pesquisa.

De concórdia com Ferreira, setores uma vez que o de construção, com empregados majoritariamente homens, cresceram, enquanto segmentos com funcionários majoritariamente mulheres – ensino e sustento – reduziram os postos no primeiro ano de pandemia.

Perdas em sustento e cultura

Segundo a pesquisa do IBGE, as maiores reduções de assalariados foram nos segmentos de alojamento e sustento, com uma queda de 373,2 milénio; gestão pública, resguardo e seguridade social ( 233,9 milénio); e negócio, reparação de veículos automotores e motocicletas (221,7 milénio funcionários a menos).

Na outra ponta, o aumento mais significativo foi no setor de saúde humana e serviços sociais, com mais 139,3 milénio assalariados.

O gerente da pesquisa destacou, ainda, que as áreas de sustento e de arte, cultura, esporte e recreação tiveram as maiores perdas de assalariados da série histórica. Esses percentuais são respectivamente 19,4% e 16,4%.

“As características desses setores já contribuem para terem sofrido efeitos da pandemia. Mais ainda a natureza da pandemia, que envolveu distanciamento social. As pessoas não vão para restaurantes para evitar contaminação, têm receio de consumir fora, fora os lockdowns. Por mais que tivesse muita garantia de segurança, [elas] não podiam trespassar”, explicou Ferreira.

O Cempre é um banco de dados mantido pelo IBGE com informações cadastrais e econômicas da grande maioria das empresas e outras organizações legalmente constituídas no Brasil.

Integram esse banco empresas inscritas no Cadastro Vernáculo de Pessoa Jurídica (CNPJ), da Secretaria Privativo da Receita Federalista. Microempreendedores individuais não fazem secção do levantamento.

Dependência Brasil

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram